Aviso de Exposição do cadernos de 2017
Mapa dos locais de Exposição pública dos Cadernos Eleitorais (10 à 24 de Junho)

Mapa dos locais de Exposição pública dos Cadernos Eleitorais (10 à 24 de Junho)

ÁGUA GRANDE

MÉ-ZÓCHI

CANTAGALO

CAUÉ

LEMBA

LOBATA

REGIONAL

 

 

CEN aguarda a auditoria técnica solicitada pelos partidos políticos da oposição

CEN aguarda a auditoria técnica solicitada pelos partidos políticos da oposição

Durante a conferência de imprensa concedida aos órgãos de comunicação social, na manha do dia 26 de Maio, para anunciar o resultado provisório do Recenseamento Eleitoral de Raiz 2017, o Presidente da CEN, Alberto Pereira emitiu a opinião da CEN sobre a autoria técnica à base de dados da CEN solicitada pelos partidos políticos da oposição. O Presidente da CEN foi peremptório em afirmar, que a CEN não tem, nunca teve e nem poderá ter algo contra uma auditoria técnica, desde que seja realmente técnica e não uma auditoria política. 

Segundo Alberto Pereira, “estamos totalmente abertos para sermos auditados, porque para além de não ser a primeira vez que a CEN estaria a ser auditada, também nos interessa essa auditoria, para vermos se poderemos terminar com esse clima de suspeição exacerbada e acusações infundadas contra a CEN. Após a auditoria, aqueles que continuarem a difamar a instituição, deverão ser responsabilizados pelas suas infundadadas declaraçoes. Não poderemos continuar a viver neste clima. O pior, é que perante as câmaras as pessoas dizem o que lhes vêm na mente, e atrás das câmaras quando deparem com o Presidente da CEN, dizem-lhe para não se preocupar porque tudo isso é política…”.

Foi neste tom peremptório que o Presidente da CEN respondeu a questão colocada por um jornalista na conferência de imprensa.

 

Comissão Eleitoral Nacional, 26 de Maio de 2017.

Mapa - Calendário do Recenseamento Eleitoral de Raiz 2017
CEN anuncia resultado provisório do Recenseamento Eleitoral de Raiz 2017

CEN anuncia resultado provisório do Recenseamento Eleitoral de Raiz 2017

Numa conferência de imprensa dada, na manha de 26 de Maio, na sede da Comissão Eleitoral Nacional (CEN), Alberto Pereira, Presidente da Comissão Eleitoral Nacional, anunciou o resultado provisório do Recenseamento Eleitoral de Raiz 2017. 

Segundo o mesmo, provisoriamente, estão inscritos na base de dados da Comissão Eleitoral Nacional, 91.167 eleitores. Alberto Pereira justificou, que este número é ainda provisório, pelo facto de haver ainda a necessidade de tratamento dos dados, exposição pública dos cadernos eleitorais, reclamações, recursos e somente depois de terem sido cumpridas todas essas etapas é que poderão ser anunciados os resultados definitivos do presente recenseamento eleitoral.

Foram também enumeradas algumas dificuldades que a CEN teve que enfrentar durante o processo, o que impediu que a CEN pudesse levar a cabo o Recenseamento Eleitoral de Raiz na diáspora, como inicialmente estava previsto. O facto de a CEN não ter ido à diáspora, permitiu que se concentrasse mais no país, de forma que tudo estivesse pronto para as Eleições Autárquicas e Regional que deverão acontecer ainda neste ano no país. Foi também enviada uma mensagem de reconforto para a diáspora, comprometendo-se em realizar o Recenseamento de Raiz na diáspora, na primeira oportunidade que aparecer.

O presidente da CEN, terminou a sua intervenção, agradecendo a todos que concorreram de forma directa ou indirecta, na concretização do presente Recenseamento Eleitoral de Raiz 2017.

Recorde-se que o acto de inscrição para esse Recenseamento Eleitoral de Raiz decorreu no país de 25 de Fevereiro a 25 de Maio de 2017.

 

Comissão Eleitoral Nacional, 26 de Maio de 2017

 

Calendário de Deslocação das Brigadas de Recenseamento Eleitoral de Raiz. Terceira Fase / 2ª Deslocação.
Recenseamento dos cidadãos do Principe, Caué e Lembá
Calendário de Deslocação das Brigadas de Recenseamento Eleitoral de Raiz. Terceira Fase / 1ª Deslocação.
Calendário de Deslocação das Brigadas de Recenseamento Eleitoral de Raiz. 2ª Deslocação da Segunda Fase.
Por ter deliberadamente recenseado duas vezes, CEN leva um eleitor às barras da Justiça

Por ter deliberadamente recenseado duas vezes, CEN leva um eleitor às barras da Justiça

A Comissão Eleitoral Nacional (CEN), ao detectar que um eleitor inscrever-se deliberadamente duas vezes  no Recenseamento Eleitoral de Raiz 2017, decidiu levar o mesmo ao Ministério Público. Esta decisão foi anunciada pelo porta-voz da CEN, Ambrósio Quaresma no dia sete de Abril, durante uma conferência de imprensa, acrescentando que todos os futuros casos de tentativa de múltiplas inscrições de forma deliberada serão, de igual modo, submetidos à justiça.

Nesta conferência de imprensa, a CEN aproveitou para chama atenção aos eleitores que tais actos “são infrutíferos visto que todas as tentativas de duplas ou mais inscrições são detectadas pelos equipamentos da CEN no momento de inscrição ou na fase de tratamento dos dados, através de várias formas, como por exemplo, o mesmo número de documentação, mesmo nome e a mesma filiação, como pela comparação de impressões digitais através do programa afis instalado no servidor central da CEN” .

A Comissão Eleitoral Nacional, na sua denuncia sobre o caso, conta como este eleitor tentou inscrever-se duas vezes e que foi automaticamente detectado: “…o eleitor portado de Bilhete de Identidade nº 16984 tentou inscrever-se duas vezes. Primeiro no dia 13 de Março na zona de Almeirim, Distrito de Água Grande, onde o mesmo foi registado com base no Bilhete de Identidade nº16984. Segundo, no dia 4 de Abril na zona de Quifindá, Distrito de Mé-Zóchi, onde o mesmo indivíduo foi registado, igualmente com base no seu Bilhete de Identidade, mas desta vez o nº do BI estava adulterado, ou seja, o nº que constava no BI era 6984, o que pressupõe que o mesmo apagou, ou melhor, rasurou o primeiro número do seu Bilhete de Identidade com objectivo de ludibriar os agentes recenseadores da CEN”.

Outro aspecto que demonstra que este eleitor estava consciente dos seus actos de adulterar o nº do seu Bilhete de Identidade, conforme a denuncia da CEN, é quando “ na primeira inscrição o mesmo deu o vulgo do seu nome como “Titi” e na segunda inscrição deu como vulgo “Nagrelha”, constituindo assim uma infracção, tipificada no artigo 9º da Lei 2/90 de 14 de Maio do mesmo ano, Lei do Sufrágio e do Recenseamento Eleitoral, segundo a qual, “Ninguém pode estar inscrito mais de uma vezes no Recenseamento”.

A CEN aproveitou esta conferência de imprensa para “apelar aos cidadãos para não se incorrerem nesta prática a fim de evitarem problemas com a justiça, por um lado e, por outro, informa que essas práticas têm custos adicionais, desde a perda de tempo até aos gastos com os materiais de recenseamento”.

Recorde-se que a Comissão Eleitoral Nacional iniciou o Recenseamento Eleitoral de Raiz no dia 25 de Fevereiro último com término previsto para 25 de Maio e, como forma de melhor servir a população, além de reforçar os trabalhos de recenseamento nos Distritos de Água Grande e de Mé-Zóchi, as brigada recenseadoras irão deslocar-se também às instituições públicas e privadas, sedeadas na cidade de SãoTomé, mediante um programa pré-estabelecido para inscrever os eleitores dessas instituições que ainda não se recensearam.

Comissão Eleitoral Nacional, 10 de Abril de 2017